segunda-feira, 16 de junho de 2014

Capitulo 1

- Cê se sente bem? – perguntou-lhe passando a sua mão pela sua cintura.
- Sabes bem que contigo eu me sinto sempre bem. – respondeu ela colocando as suas mãos nas costas dele e juntando os seus corpos roubando-lhe um beijo.
- É correto? – perguntou-lhe Oscar olhando-a mais uma vez. Cada vez que a olhava parecia a primeira, via aquele sorriso tão natural como da primeira vez que a havia visto.
- Sabes bem que quando o assunto é amor nada mas mesmo nada é correto. – respondeu-lhe Núria mirando-o e colocando as suas mãos em torno da cintura dele.
Olhou-o uma última vez nos olhos antes de se despedir dele, sabia bem que com Oscar vivia o seu mundo, que cada momento era mágico e que sem ele não conseguia ser a Núria que era junto dele, aquela mulher descontraída e louca.
- Vou ter saudades tuas – acabou por dizer Núria passando a sua mão por aquela pele suave tão característica dele.
- Eu mando cumprimentos pelo Hazard. – gozou Oscar levando-a a fazer cara séria.
- Não brinques muito com a situação sim?
- Cê já viu tudo o que passamos neste apartamento? – perguntou sentando-se no sofá e fazendo sinal para também ela fazer o mesmo – aqui dentro sou só e apenas o Oscar e você é só e unicamente a Núria. Já fora daqui sou o Oscar comprometido com a Ludmila e cê é Núria comprometida com Eden Hazard. Podemos afirmar que temos uma vida dupla.
- Já me assustou mais do que me assusta agora, acreditas?
- Cê não precisa de ter medo não. Se cairmos…nós caímos juntos e eu não vou deixar você sozinha se isso acontecer.
- Obrigada. – disse-lhe com um sorriso ternurento. – obrigada por tudo. Acima de tudo por me fazeres tão especial Oscar.
- Núria, você merece.
- E agora eu tenho de ir. – informou pegando no seu casaco e colando os seus lábios aos de Oscar num beijo calmo, à maneira deles.
Andou uns passos até á porta e depois de a abrir voltou-se para trás olhando-o, a vontade de ficar ali apenas a olhá-lo era tanta…mas ambos sabiam que era algo complicado e impossível.
- Tem a certeza que não quer ficar mais um bocadinho? – propôs-lhe Oscar com o seu sorriso mais provocador.
- Não posso. Depois não te resisto. – disse Núria mordendo ligeiramente o lábio.
- Isso eu sei beleza. – disse ele com o seu ar de convencido pouco convincente.
Núria sorriu e ele fez o mesmo. Trocavam aqueles sorrisos…apaixonados será que seria a palavra certa? Nos últimos tempos trocavam aqueles sorrisos mais parvos a toda a hora, faziam dos momentos deles os melhores do mundo.
- Beijo. – disse ela encostando os seus lábios à sua palma da mão e soprando na direção de Oscar.
Ele nada lhe disse apenas lhe piscou o olho e sorriu novamente esperando a qualquer momento que ela abrisse aquela porta e volta-se para os seus braços mais uns momentos…mas isso não aconteceu. Núria saiu daquele apartamento desceu as escadas à pressa, já que não estava com paciência para esperar pelo elevador, entrou dentro do seu carro e respirou profundo. Agora sim voltava à sua vida normal e chegar a sua casa e à de Eden iria o ter junto dela como namorado que é e iria sentir-se especial porque ele também a sabe fazer sentir assim.
Como comum fez o seu caminho até casa com a companhia da música que ia tocando naquele rádio. Entrou naquela casa como habitual, Eden estava sentado no sofá e quando Núria entrou sorriu-lhe, sorriso tal que ela retribuiu.
- Como correu o dia? – perguntou-lhe enquanto ela atirava a sua mala para junto dele.
- Bem, corre sempre bem hoje tratei de um cão muito bonito. – comentou – devíamos ter um cão.
- Um cão? – perguntou-lhe Eden espantado com tal sugestão.
- Sim um cão, são criaturas tão maravilhosas.
- E quem cuida do cão?
- Nós, quem havia de ser? – perguntou Núria entrelaçando a sua mão com a de Eden.
- Tu passas tanto tempo fora de casa tal como eu, um cão agora não é a melhor opção.
- Sabes que costumam ter esses discursos para quando falam em filhos? – perguntou Núria com uma expressão estranha na face.
- Um filho já não era assim tão mal pensado. – disse Eden com uma certa vontade de ter aquela conversa.
- Com calma, por favor. – disse Núria tentando acabar com aquela conversa a que tanto fugia. – filhos não é algo que eu queira nos próximos tempos e além do mais  tu já tens dois.
- Mas é diferente. Não os tenho contigo Núria, contigo que és…tudo. – disse-lhe sorrindo. – É algo a pensar? – perguntou-lhe ele encostando os seus lábios à mão dela.
- Não sei, talvez mais tarde.
- Isso quer dizer que posso ter esperanças? – perguntou-lhe ele esperando por uma resposta positiva da parte de Núria.
- Cada coisa a seu tempo. – respondeu tentando pôr fim aquela conversa. – vamos jantar?
- Não me apetece sair daqui. – disse Eden cansado.
Núria agarrou a mão de Eden e fez um pouco de força tentando com que ele se levantasse daquele sofá algo que não conseguiu devido à força que ele tinha que era superior à dela e a levou a cair para cima dele.
- És muito mau menino Eden Hazard. – repreendeu Núria levando-o a rir. – eu tenho fome! – reclamou.
- Fome, fome…tens algo que te alimenta à tua frente meu anjo. – disse-lhe beijando-a.
- Eden…aquele empadão que está no forno agora acho que me é bem mais conveniente. Prefiro guardar-te para sobremesa meu anjo. – disse brincando um pouco com a situação e fazendo Eden ficar com má cara.
Núria saiu de cima do namorado e rumou em direção à cozinha.
- Estás a dar-me uma nega? – perguntou Eden caminhando atrás dela até à cozinha.
- Não, o teu anjo está com fome. – disse virando-se para trás  encarando-o, colocou as suas mãos em torno da cintura dele enquanto falava. – e talvez quando acabar de comer e a fome desaparecer entre numa aventura com o seu namorado.
- Duvido.
- Duvidas? – perguntou Núria não entendo o porque de ele ter afirmado tal coisa.
- Sim, ainda não te disse mas combinei com o pessoal cá em casa depois de jantar. – informou-a.
- Com o pessoal? – perguntou esperando por mais informação, especialmente quem seria aquele pessoal.
- Sim com o David, o Ashley, o Willian , o Andre, o Oscar, o Demba Ba…o pessoal do costume.
Para Núria ele tinha acabado de falar quando o nome Oscar suou naquela divisão. Oscar iria estar ali possivelmente com Lu e Núria também iria estar ali com Eden.
- Ah e depois também as damas devem vir não é? Não te ia deixar à seca só com rapazes aqui.
- Não. – disse Núria sem se aperceber do que dizia.
- Não? – perguntou Eden – Não o quê?
- Nada. – encostou os seus lábios à bochecha dele – vamos…jantar?
- Sim vamos. – respondeu – Os miúdos vêm cá amanhã à noite.
- Eu tenho saudades. – disse sorrindo involuntariamente. – eles são tão especiais.
- São a minha vida…- acabou Eden por dizer sorrindo também.

Conforme a casa começava a encher o coração de Núria começava a bater…cada vez mais depressa. Não era a primeira nem seria a última vez que iria estar com Eden e Oscar no mesmo espaço mas aquilo incomodava-lhe de certa forma.
Tinha dado tantas voltas já tinha pensado tantas vezes no assunto de Oscar e Eden mas chegava sempre à mesma conclusão. Para Núria é possível gostar (muito) de duas pessoas completamente diferentes ao mesmo tempo. Não era amar, amar duas pessoas ao mesmo tempo é algo impossível para ela mas gostar tanto de Eden como gosta e gostar também tanto de Oscar como gosta é possível porque ela vive essa situação. Passa momentos com Eden que só ele lhos proporciona mas passa também momentos com Oscar inesquecíveis, Oscar fá-la sentir sensações únicas tão únicas…
Todos estes pensamentos foram interrompidos por aquela voz de Oscar que ouviu vinda da sala. Percorreu o pequeno caminho do corredor até à sala e ficou encostada à porta a mirar tudo o que se passava. Para seu espanto Oscar estava sozinho, não havia Lu, havia apenas Oscar e mais meia dúzia de rapazes.
Vanessa, companheira de Willian, correu até Núria despertando-a.
- Cê está bem? – perguntou-lhe.
- Não sei porque é que ele não me avisou que vinha... – disse Núria suspirando.
Só Vanessa apenas Vanessa além de Oscar sabia que Núria tinha os seus dois amores.
- O que é que ia adiantar Núria?
- Tinha inventado que estava enjoada e tinha-me enfiado no quarto, não me sinto bem aqui…
- Vamos para o quarto? – perguntou-lhe Vanessa.
- Sim…vamos sim.
Lá ambas sabiam que podiam falar à vontade, podiam estar as duas sozinhas sem interrupções.

Oscar vagueava pela sala ainda não tinha visto Núria desde que entrara, tinha uma grande, enorme até, vontade de a ver. A verdade é que já estava cheio de saudades dela.
Avisou que iria à casa de banho e rumou ao corredor procurando por ela. Olhava para todas as divisões daquela casa em alguma delas estaria Núria ele sabia que sim.
Encontrou-a…finalmente estava sentada naquela cama com as pernas cruzadas, à sua frente encontrava-se Vanessa.
Quando Núria o viu ali o seu coração parou por momentos. Respirou fundo e lembrou-se onde estava. Estava na casa dela e do seu namorado e Oscar era apenas um colega de Eden.
Oscar não conteve o sorriso ao vê-la ali. Sabia bem que nos últimos tempos o seu coração só batia por ela.
- Podias-me ter dito que vinhas. – disse-lhe ela.
Oscar andou uns passos em frente, Vanessa levantou-se fechando a porta e ficando junto a esta para o caso de acontecer alguma coisa.
- Eu não sabia. O Hazard falou com Lu e quando cheguei a casa foi ela quem me avisou do convite dele.
- Vai ter com eles. – avisou Núria tentando com que ele se fosse embora, não queria problemas.
- Vem ter comigo amanhã de manhã, por favor Núria. – implorou Oscar.
- Vou tentar. – respondeu-lhe.
Oscar encaminhou-se para a porta onde Vanessa a abriu, ele saiu e ela voltou a fecha-la olhando para Núria.
- Isto começa a ficar perigoso. – disse Vanessa mirando a cara de assustada que a amiga tinha.
- Ainda hoje lhe disse que isto já me assustou mais que agora mas…isto agora está a assustar-me muito.
Vanessa sentou-se novamente junto de Núria, deu-lhe um pequeno beijo na testa e sorriu-lhe.
- Sê sincera comigo. – pediu Núria a medo.
- Eu serei. – assegurou-lhe.
- Não pensas que eu sou uma… - tentou terminar mas a verdade é que não conseguia.
- Não! Não diga uma coisa dessas Núria, por favor. Nunca pensei nada disso de você nem vou pensar. Sei a vida que cê tem criado com o Eden estes meses mas também sei que o Oscar veio como que uma salvação para você. Na verdade eu acho que precisava do Oscar na sua vida. A única coisa que não é correta é mesmo o Hazard no meio disto tudo mas eu sei…sei que que você gosta muito dele, que gosta mesmo.
- A minha vida é uma confusão. – disse Núria suspirando e enterrando a sua cabeça na almofada.
Involuntariamente deixou umas lágrimas escorrerem-lhe pela face. Vanessa rapidamente se apressou a limpá-las e agarrar a cara dela entre as suas mãos.
- Não chore não. – disse-lhe baixinho.
A porta abriu-se e foi Eden quem entrou por ela. Quando reparou que Núria chorava rapidamente se aproximou dela. Vanessa levantou-se da cama e dirigiu-se à porta deixando-os sós, sabia que precisavam disso.
- Meu anjo, o que se passa? – perguntou-lhe com uma voz doce mas preocupada – fui eu que fiz algo? – o medo de a perder falou mais alto e na sua cabeça havia montes de perguntas, seria ele o culpado daquelas lágrimas?
- Não, não tens culpa nenhuma. São apenas algumas coisas sem sentido, não te preocupes.
- Dizeres para eu não me preocupar contigo é a mesma coisa que dizeres para eu não respirar. – disse-lhe sincero esperando que ela percebesse a importância que ela tinha para ele.
Núria congelou com aquelas palavras. Sabia bem o que Eden significava para ela e o quanto ele gostava dela. Abraçou-se a ele e pôde sentir o seu cheiro, era o cheiro a que estava habituada todas as manhãs quando acordava e todas as noites quando se deitava…ao lado dele.
- Obrigada, és tão importante para mim. – disse Núria sem parar ainda de chorar.
- Vamos dizer adeus a essas lágrimas sim? – perguntou-lhe Eden abrindo um sorriso. – vinha-te chamar há proposta de filme na sala.
- Oh eu não sei…- disse Núria a medo.
- Anda lá – disse-lhe agarrando-lhe na mão e puxando-a para si.
- És muito chato, deixa que te diga. – brincou ela.
- Se eu não fosse chato nada disto tinha piada. – disse levando-a a rir.
Entrelaçou a sua mão com a dela e caminhou até à sala. Ao chegarem Núria observou tudo, Oscar estava sentado no sofá junto de David, outros estavam sentados no chão. Pôde ver que o único espaço vazio era junto de Oscar, Vanessa apercebeu-se disso e voou em direção aquele sofá.
- Oscar chegue para lá! – disse Vanessa sentando-se junto dele e deixando espaço ao seu lado para Núria se poder sentar.
Ela assim o fez e sentou-se ao pé da amiga colocando a sua cabeça no ombro da mesma.
- As pequeninas? – perguntou lembrando-se que as gémeas de Vanessa e Willian não estavam ali.
- Ficaram com a tia por hoje. Eu e Willian estamos precisando de uma noite calma.
- Calma…chama-lhe calma chama. – disse Núria baixo rindo-se um pouco.
Repararam que Oscar também sorria, devia ter ouvido a conversa delas. Como Vanessa estava no meio dos dois conseguia como que ouvir os pensamentos de cada um. Vanessa sentiu uma mão por detrás das suas costas e olhou para Oscar e percebeu rapidamente a intenção.
- Acho que há uma mão atrás das minhas costas que quer tocar em na sua. – disse Vanessa junto ao ouvido de Núria.
A medo fez a sua mão ir até atrás das costas da amiga, sentiu a mão de Oscar a agarrar a sua e sorriu.
- Vá, já podem tirar daí as mãos. – avisou  Vanessa suficientemente baixo para só os dois ouvirem e separarem as suas mãos.
Núria voltou a encostar a sua cabeça ao ombro da amiga e fechou os olhos por momentos, estava cansada o dia tinha sido longo e de grandes emoções.

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 

Boa tarde :)
Aqui está o primeiro capitulo. Espero que gostem de verdade.
Sei que é um pouco confuso mas prometo que o próximo esclarecerá várias coisas, incluindo as personagens principais: Núria, Eden Hazard e Oscar. 
Espero que gostem e peço que comentem para eu saber as vossas opinioes.
Beijos,
Mahina